domingo, 14 de março de 2010

Cantando em português errado...

Em agradecimento pelo convite, estou postando aqui o que eu postei no blog da Nine e do Bruno. Espero ter correspondido às expectativas.
A idéia era escrever sobre mulher, e como o blog era de música, eu deveria relacionar com a música Desconstruindo Amélia (Pitty). A princípio, iria escrever a idéia que a música me passa. Porém tentei demonstrar a evolução e revolução feminina através de trechos da música.

Desde a história antiga, a mulher estava relacionada com a fertilidade. Era considerada o alicerce da família, limitada pelo trabalho doméstico (considerado uma virtude) e o papel que desempenhava na sociedade era de colaboradora do marido. No início do século XX, eis que de repente ela resolve então mudar. Uma revolução de operárias em busca de melhores condições de trabalho e melhores salários, torna-se o marco dessa mudança. A mulher percebe que não foi apenas educada pra cuidar e servir. Foram em busca do direito de se expressarem. Muitos protestos ocorreram em vários países. Quase cem anos depois, a mulher brasileira conseguiu o direito a voto.

No século XXI, a mulher vira a mesa, assume o jogo. Não é difícil ver uma mulher em destaque. No trabalho, na política ou na sociedade em geral. O reconhecimento muitas vezes é falho. Existem aquelas ainda que a despeito de tanto mestrado, ganha menos que o namorado e não entende porque. Mesmo assim, disfarça e segue em frente todo dia até cansar.

Uma das características mais marcantes da mulher é conseguir ser forte sem perder o encanto e a sutileza. Luta pelo seu espaço e faz questão de se cuidar. O instinto materno, que já é de sua natureza, faz com que ela defenda seus ideais como se estivesse protegendo seus filhotes no ninho. Tudo isso sem perder a beleza excêntrica e zelada.

Tem talento de equilibrista. Busca sempre a dosagem certa entre a razão e a emoção. Quando não consegue, faz a mistura perfeita entre o concreto e o abstrato. O exato e o humano.

Quando você se depara com uma mulher, está diante de várias. É o dom da diversidade. Ela é muitas se você quer saber. Consegue ser mãe, esposa e profissional ao mesmo tempo. E não termina por aí. Depois do lar, do trabalho e dos filhos. Ainda vai pra nigth ferver.

As mulheres são estereotipadas como sexo frágil. Essa busca por igualdade é justamente para se livrar desse rótulo. E o que foi deixado para trás, foi a dependência do homem. As mulheres querem se mostrar, sem a necessidade de estarem escondidas numa figura masculina. Nem serva, nem objeto. Já não quer ser o outro. Hoje ela é o também.



Obrigada pelo convite, Eduardo e Monica. Quando eu crescer, quero escrever igual a vocês!

O post original se encontra em: http://topicosparaumasemanautopica.blogspot.com

P.s: Adorei a minha descrição. kkk